Bom dia, refugiados. Hoje, irei fazer um breve review sobre o DLC do Bioshock: Infinite – Burial at Sea: Episode One.

BurialAtSea02

Após o gigantesco sucesso de Bioshock: Infinite, a 2K Games lança o segundo DLC para o game, desta vez trazendo o que muitas pessoas tinham vontade de ver, a cidade submarina de Rapture, cenário dos jogos Bioshock e Bioshock 2, antes da queda.

Em “Burial At Sea: Episode One” você novamente está no controle de Booker DeWitt e novamente ter como missão resgatar uma garota, desta vez chamada Sally. Porém, o que torna a história interessante é que quem te dá a missão é Elizabeth, desta vez aparentando uma mulher mais madura e não uma garota que ficou presa em sua torre a vida inteira.

BurialAtSea01

No DLC é sensacional vermos Rapture no seu auge. Poder ver várias menininhas antes de se tornarem little sisters, ver os Big Daddys atuando nos reparos da cidade, ver o início do conflito entre Frank Fontaine e Andrew Ryan, ouvir as pessoas conversando sobre os boatos acerca dos Splicers, pode ver a “liberdade criativa” durante a festa de Sander Cohen… Ou seja, ter a visão de Rapture que nunca tivemos antes.

BurialAtSea03

Quanto ao jogo, a história, apesar de criticada por muitos, me convenceu e me fez fazer mais um milhão de questionamentos sobre o universo Bioshock, mas isso não vem ao caso para não dar Spoilers na cara de vocês.

BurialAtSea04

Bom, mas nem tudo são flores. Ao voltar para Rapture, algo que eu imaginava era utilizar os Plasmids dos primeiros Bioshocks e não os Vigors do Infinite, mas isso não acontece. O que acontece é uma mistura do cenário de Rapture com Columbia, apesar de isso ser completamente aceitável, visto a possibilidade de infinitos universos paralelos que Bioshock Infinite desenhou. O resultado final é uma mistura dos antigos Bioshocks com as mecânicas do novo. Algo que me incomodou bastante são as sky-lines, que parecem estar totalmente fora de contexto, não fazendo sentido algum em uma cidade submersa. Algo que também me deixou triste foi o fato de lutarmos com apenas um Big Daddy e não termos mais de 2 horas de jogo…

Bioshock: Infinite – Burial at Sea: Episode One pode ser definido como um bom DLC que foi feito claramente para os fãs da série, pois qualquer pessoa que caia de paraquedas, ou melhor, de submarino em Rapture não ira entender nada daquele universo. Se você é fã da série, corra atrás do DLC que não irá se arrepender. Se ainda não conhece nada de Bioshock, aproveite as últimas promoções da Steam e comece a jogar os jogos pois não irá se arrepender.

Comentários

comentários

About The Author

Convidado

Convidado especial @BunkerNerd.

Leave a Reply

Your email address will not be published.