mangás

Se você é fissurado por histórias em quadrinhos com estilo japonês seria uma pena você não conhecer esses mangás.

Para começar vamos falar um pouco da história desse estilo de HQ. Tudo começou no Período Nara (What?), de 710 a 794 d.c no Japão. Eram chamados de “emakimono” (picture scrolls ou rolos de imagem), associando imagens com texto. A medida que você desenrolava o pergaminho/papel/sei lá encontrava novas informações e imagens. O primeiro “mangá” é o Ingá Kyô, cópia de uma história chinesa que separa nitidamente o texto da pintura.

mangá

No meio do século XII é lançado o primeiro emakimono com estilo Japonês, “Genji Monogatari Emaki”. Conta a história de Genji, não vou falar muito sobre esse mangá ancestral, mas posso dizer que tem uma estrutura espetacular, chutando o balde de alguns escritores da modernidade.

Genji Monogatari Emaki

Depois disso a coisa só cresceu, passando para livros de poesias e romance. O mangá chegou ao formato que conhecemos por volta do século XX pela influência das revistas Americanas e Européias.

Chega de história e vamos falar dos mangás que acredito estarem no topo hoje.

Em primeiro lugar: Naruto, que conta a história de um jovem ninja que possui uma criatura lendária presa em seu corpo. Se você gosta de Naruto e já lê, pode acompanhar nossos textos sobre o assunto quase 1 vez por semana. Aliás, não saiu o mangá dessa semana ainda =(.

Naruto

Em segundo lugar: Bleach, um menino que pode ver fantasmas e recebe a ajuda de um espírito ancestral ceifador de almas para salvar sua família. Outro mangá que recebe milhões de buscas no Google.

bleach

Em terceiro lugar: One Piece, um marujo lutando para ser o pirata mais famoso do mundo em busca de um tesouro cobiçado por muitos.

onepiece

Você já conhece esses mangás? Qual prefere?

Comentários

comentários

About The Author

@RenatoEstranho

We drank, we fought, we made our ancestors proud. Andando e vivendo com o caderno na mão para não perder a informação. Publicitário metido a escritor com ideias que precisa por no papel. "From womb to tomb, we are bound to others, past and present.” Cloud Atlas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.