Salve, salve refugiados do mundo real. Bem-vindos novamente ao mundo fantástico do RPG! Seguindo nossa história, Quincas, Edgarjoe e Hellen encontraram algo sinistro na grande floresta sagrada e decidiram se afastar, acelerando sua jornada para fora da floresta antes que alguma coisa ruim acontecesse.

bunkernerd_rpg-a capanha_cap3_a floresta queimada

Antes de continuar, gostaria de escrever que estamos muito animados porque vocês estão curtindo essa aventura. Foi uma surpresa ter a unanimidade de votos no capítulo anterior! É muito massa saber que estamos passando a semente do rpgista adiante e que vocês estão escrevendo essa história com a gente! Valeu, clan!!! <o

Voltando ao RPG… os três aventureiros andam e andam por entre a densa floresta, até que Edgarjoe se cansa e decide perguntar para onde raios estão indo! Como sempre, de o play…

and here we go!!

Capítulo 4 (opção escolhida: nº 2)

“Depois de muito andar, os três se veem encurralados, mas tem algo pior… algo se aproxima e é enorme.”

 

Edgarjoe – Ei, Quincas! Já estamos andando a quase um dia e meio. Já estamos longe o suficiente daquele círculo, mas você continua quieto e pensativo. Esquece aquilo!

Quincas – Não é tão fácil assim Edgarjoe. – diz o anão balançando a cabeça negativamente.

Edgarjoe – Bem…talvez o mago que buscamos possa nos dar algumas informações sobre isso.

Quincas – Talvez… ainda vou pesquisar mais afundo. Mesmo assim, quando chegarmos em Nova Nilgrat preten… – Quincas é interrompido por Hellen.

Hellen – Tio Quincas. Ouviu isso?

Quincas parou de andar e olhou para Hellen. Pediu silêncio para tentar ouvir alguma coisa.

Quincas – Mas o que é isso?

bunkernerd_rpg-a capanha_cap4-saindo da floresta

O barulho vinha do Sul e parecia se aproximar com rapidez. Com certeza alguma criatura se aproximava do grupo. Pelo barulho era possível perceber que ela era grande e forte. Seus passos batiam com força no chão, fazendo um som grave e nada discreto. Provavelmente a criatura descobriu que eles estavam desconfiando de algo e decidiu atacar.

Os três olharam para trás e os arbustos balançavam violentamente. Algumas pequenas árvores chegaram a cair ao fundo. O que quer que estivesse vindo, movia-se rapidamente, destruindo tudo o que permanecia no caminho.

Edgarjoe – Vai ser uma porrada só! – diz o guerreiro erguendo seu pesado malho de ferro.

Quincas – Você está louco? Vamos sair daqui!!!

Quincas começa a correr, puxando Hellen pela mão. Ele sabia que o melhor a fazer seria evitar uma batalha desnecessária. Estamos em terreno irregular e não conheciam as armadilhas que poderiam existir em meio a floresta. Edgarjoe não discutiu, apenas virou-se e seguiu os dois.

Hellen – Ele… ele está… nos alcançando!!! – tentava alertar a criança quase sem fôlego.

Hellen solta à mão de Quincas e começa escalar uma grande árvore. O clérigo para de correr e tenta puxar a menina pelos pés, mas ela escalava com rapidez e o baixinho não conseguiu alcançá-la.

Quincas – Está maluca? Desça já daí!!!

Hellen – Fujam vocês! Eu sei me virar!

Quincas – Não diga bobagens!!!

Hellen continuou escalando até desaparecer entre as folhas dá árvore. Quincas olhou em direção a criatura e viu que ela estava muito mais próxima do que imaginavam. Para deixar a situação ainda mais preocupante, o clérigo conseguiu identificar a criatura que estava perseguindo seu grupo. Sua maior preocupação esta apenas começando.

bunkernerd_rpg-a capanha_cap4-o lobo negro

Era um grande lobo negro. Porém, era maior do que um tigre! Tinha os pelos espetados e visivelmente rígidos. Pareciam mais próximos de espinhos do que de pelos… mas o detalhe que mais chamou atenção de Quincas foi a densa fumaça negra que seguia o animal. Aparentemente, ela saía da pele da criatura que, ao correr, deixava um rastro por onde passava.

O anão percebeu que não tinha mais tempo para fugir. Pegou sua maça estrela e se preparou para o combate. Durante todo esse tempo Edgarjoe não percebeu que seus companheiros não o estavam seguindo e continuou correndo à frente, distanciando-se do grupo.

Quincas – Deus me de forças para combater as trevas! Minha fé servirá como escudo para proteger aqueles que não podem lutar por si mesmos! – o anão clérigo se ajoelha apoiando seu pesado corpo sobre sua arma e inicia uma prece, pedindo proteção para o que estava por vir.

Assim que o velho clérigo terminou de falar, um grande escudo transparente surgiu em seu braço esquerdo. Era grande e levemente translucido. O escudo mágico era feito de uma energia roxa que oscilava suavemente . Porém, seus contornos eram bem definidos e brilhavam intensamente.

bunkernerd_rpg-a capanha_cap4--a batalha

Quincas percebeu que o lobo já estava muito próximo e ergueu seu escudo para esperar o ataque iminente da fera, mas para sua surpresa, o animal passou reto, sem dar a mínima importância à presença de Quincas.

Quincas – Mas o que?! Ele não está atrás da gente! – gritou o anão balançando a mão diante do rosto para dispersar a fumaça ao seu redor.

Edgarjoe – Ah, não está?! – respondeu o amigo enquanto parava e olhava para trás.

Antes que Edgarjoe pudesse receber uma resposta de Quincas, a criatura saltou em sua direção mostrando seus dentes afiados. O guerreiro tentou erguer seu martelo para se proteger, mas seus reflexos não foram rápidos o suficiente. O lobo o atingiu, mordendo seu ombro e o derrubou.

Edgarjoe – AAAAAAAAAAAHHHHHHHH!!! QUINCAS!!! ME AJUDE!!!

Edgarjoe estava completamente imobilizado debaixo da pesada criatura. Ele estava sentindo muita dor em seu braço esquerdo para tentar levantar a besta.

Quincas correu para ajudar seu amigo. Sem pensar duas vezes, golpeou as costas do animal com força diversas vezes. Porém, a criatura parecia estar determinada a acabar com a vida de Edgarjoe e continuou a ignorar o velho clérigo.

bunkernerd_rpg-a capanha_cap4-Edgarjoe cai

O braço de Edgarjoe estava sendo dilacerado e sangrava muito. O anão teve que se esforçar para continuar combatendo. Porém, conseguiu juntar forças o suficiente para esticar seu braço direito, pegar seu martelo e golpear a cabeça do animal. O golpe foi certeiro, fazendo o grande lobo cair para o lado, tonto.

Edgarjoe levantou-se rápido e deu alguns passos para trás. Ele se livrou por pouco, mas talvez não conseguisse repetir o feito. Estava muito ferido. Quincas poderia ajudar em combates, mas sabia que não podia contar com a energia que possui quando jovem para igualar-se a seu melhor amigo.

Edgarjoe – Não consigo usar meu martelo com apenas uma mão!

De repente, um laço de corda caiu ao redor da cabeça da criatura. Quincas olhou para cima e viu Hellen, segurando um pedaço de corda.

Hellen – Corram!!! Isso vai atrasá-lo!

Quincas – Ele é muito mais forte que você! Vai te arrastar! Solte isso aí!!!

Hellen – Eu tenho noção de força, pode deixar! – apontando para a outra ponta da corda.

A menina é muito mais esperta do que parece. Hellen já havia amarrado uma das pontas da corda na árvore onde estava se escondendo. Quincas voltou a golpear a besta, antes que ela se recuperasse totalmente.

Quincas – Corra Edgarjoe! Por algum motivo ele está atrás de você!

Apesar de querer ajudar seus companheiros (e se vingar da humilhação causada pela fera), Edgarjoe obedeceu o anão mais velho. Ele sabia que seu amigo conseguiria se proteger melhor sem ter alguém ferido por perto.

O guerreiro correu em direção Norte segurando seu ombro ferido e tentando perder a menos quantidade de sangue possível. Depois de correr um pouco, parou ao ver uma cena que não esperava encontrar.

Um pouco a frente de onde estavam seus amigos, havia um grande penhasco. Olhando para baixo, Edgarjoe enxergava apenas dunas areia. Pelo visto, o deserto é separado da Floresta Sagrada por uma grande parede de pedras. O anão ficou parado por alguns segundos, apenas observando a vista panorâmica do grande Deserto De Halaster. No horizonte, ele conseguia ver Nova Nilgrat, uma das poucas cidades da região.

bunkernerd_rpg-a capanha_cap4-o penhasco bunkernerd_rpg-a capanha_cap4-o deserto

Hellen – Ele está puxando com muita força! A árvore mal está aguentando!

O feroz lobo gigante estava fazendo força para frente, mostrando seus dentes e correndo sem sair do lugar. Sua boca espumava em fúria. Por muito pouco não derrubava a árvore a que estava preso. Quincas tentava inutilmente distraí-lo de seu alvo principal, Edgarjoe.

Quando finalmente o velho anão achou que o lobo não aguentaria mais, ouviu um grande estalo e o galho em que a corda estava amarrada quebrou, sendo violentamente arrastado pela besta. A criatura atropelou Quincas e correu o mais rápido que conseguiu.

Quincas – EDGARJOE! ATRÁS DE VOCÊÊÊÊ!!!

Edgarjoe virou-se. Tudo estava em câmera lenta. O guerreiro virou-se lentamente, observando o monstro se aproximar. Não havia como combater e nem para onde correr. Era o fim. O anão apenas respirou fundo e esperou a morte chegar.

Porém, quando a criatura saiu da sombra da floresta e foi atingida pela forte luz do sol poente, ela parou e soltou um uivo de um sofrimento horrível. Inesperadamente e quase que de forma instantânea, o grande lobo explodiu em uma grande nuvem de pó negro, que cobriu tudo a metros de distância.

Logo atrás da nuvem de poeira negra, chegam Quincas e Hellen, desesperados.

Quincas – Mas… o que… que diabos está acontecendo? – perguntou o velho clérigo apoiando-se sobre as duas pernas e tentando recuperar suas energias.

Edgarjoe não responde. Ele cai de joelhos e respira fundo, tentando segurar a horrível dor em seu ombro. Quincas se lembra do ataque do lobo e se abaixa já procurando seus itens de cura. Pega sua água benta e começa a curar os ferimentos de seu amigo com magia sagrada.

Hellen estava estática. Muda. Pela primeira vez os anões viram a menina mostrar uma cara de surpresa. Como se tivesse visto algo novo pela primeira vez.

Quincas – Precisamos descansar. Amanhã pensamos em como descer esse penhasco para depois irmos até a cidade. Lá, tentaremos descobrir mais informações sobre tudo o que presenciamos nesses últimos dias. Por enquanto, apenas podemos contar com a proteção de nosso Deus…

 

Melh Dehls!! Eu achei que perderíamos Edgarjoe! Ufa!!! Depois de ver a morte de perto (algumas vezes), nossos aventureiros se deparam com um novo desafio. Um penhasco não seria um problema, mas agora Quincas não possui a juventude a seu favor e eles precisam cuidar da pequena Hellen. Como farão para descer, cruzar o deserto e alcançar a cidade que enfrentem grandes perigos? Vocês decidem, refugiados!

1. Ao chegarem a base do penhasco, já nas areias do deserto, são surpreendidos por um grupo de ladrões.
2. Depois de um dia inteiro para descer a parede do penhasco, o grupo finalmente chega ao solo do deserto. Um homem misterioso surge de trás de uma grande pedra e se apresenta a nosso aventureiros.
3. Com Edgarjoe ferido, o grupo decide descer o penhasco por partes, mas na primeira noite, ouvem Edgarjoe berrar enlouquecidamente. Ele segura sua cabeça com as mãos e seus olhos estão virados para cima.
4. Vencido o penhasco, os três cruzam o deserto com algumas pequenas dificuldades. Depois de enfrentar alguns vermes do deserto e perderem uma de suas mochilas, Quincas, Edgarjoe e Hellen chegam as fronteiras de Nova Nilgrat.

Votem nos comentários. A opção que receber mais votos influenciará nas ações do capítulo 5. 😉

 

PS: Se você perdeu alguma parte dessa aventura, leia os capítulos 1, 2 e 3.

Texto: oficial Lucas Merlin
Colaboração: GEN Keller

Comentários

comentários