Olá refugiados e aventureiros de domingo! Como mencionamos no capítulo anterior dessa aventura, Edgarjoe, Quincas e Hellen chegaram a um ponto de sua jornada em que as escolhas que VOCÊS fazem aqui no mundo real interferem DIRETAMENTE na aventura que está sendo jogada nessa mesa de RPG.

Sim, pra você que ainda não sabe, a aventura de RPG descrita aqui é jogada de verdade no mundo real e tudo o que vocês escolhem a partir de agora causa consequências REAIS nas sessões de jogo. E como vocês votaram pela opção nº 3, vejam o que aconteceu com nosso grupo de aventureiros no dia seguinte, após terem chegado a cidade de Nova Nirgat.

 

CAPÍTULO 7 (opção escolhida: nº 3)

“No dia seguinte, o grupo decide seguir Abu até a casa da tal maga elfa, mas antes terão que parar na casa do mago. Eles não percebem, mas algo os segue.”

 

Abu – Tudo bem. Posso anotá-lo pra você… mas tem certeza de que não quer falar com Caliel? Seu amigo pode estar correndo um grave perigo com essa maldição.

Quincas continuou desconfiado. Não sabia se valia a pena arriscar a vida de seu amigo, mas não seria igualmente arriscado deixá-lo nas mãos de uma elfa? O mais correto seria pedir a opinião do próprio Edgarjoe.

Quincas – Vamos deixar meu amigo dormir um pouco e daqui algumas horas, perguntamos o que ele acha.

Abu – Está bem. Porque não vamos até minha casa, onde podemos pesquisar mais sobre o que conversamos? Afinal, não vamos passar o dia todo aqui na taverna, não é?

Quincas olhou para o barril de cerveja atrás do balcão e depois olhou novamente para o mago. Pensou por alguns segundos e respondeu.

Quincas – É claro que não… – responde o anão engolindo a saliva junto com a vontade de beber uma boa cerveja.

Os quatro seguiram pelas ruas de Nova Nirgat até chegarem a periferia. Lá, pararam em uma grande casa cercada por cabras. Porém, estas pareciam animais comuns, diferente de Abu Abd Allah Muhamed Al Bee Méé, a cabra que os acompanhou desde o encontro inesperado no deserto.

bunkernerd_rpg-a capanha_cap5--a caverna e a cabra

Abu – Venha e cuidado para elas não fugirem – diz o mago enquanto abre a cerca com cuidado.

Ao entrar na casa, o clérigo percebeu que Abu era diferente dos magos que conhecia. Ele não tinha uma biblioteca cheia de livros e pergaminhos, mas sim, uma infinidade de livros e papéis espalhados aleatoriamente pela casa.

Apesar da desordem, o mago fechou a porta, encostou seu cajado de bambu na parede e foi diretamente buscar o livro que procurava. Pelo jeito, ele sabia exatamente onde estavam suas coisas.

Quincas ficou parado por um tempo, sentado, esperando o mago encontrar o que procurava. Hellen, que não havia saído de perto do anão em nenhum momento, estava tão animada que não sabia por onde começar. Pegava vários livros e abria em páginas aleatórias. Lia vários trechos rapidamente, memorizando todas as informações possíveis. Abu reaparece de repente, quebrando o silêncio:

Abu – Não encontro absolutamente nada sobre o círculo negro que vocês viram. Muito menos sobre a tal terra negra.

Hellen se aproximou, desviando dos objetos no caminho e escalou uma pilha de livros, sentado-se no topo dele.

Hellen – Acho que aqui tem algumas coisas! – disse a menina, mais animada do que de costume.

Os outros dois olharam para a jovem curiososa.

Hellen – Lembro que o tio Eddye disse que viu um rei e uma espada. Aqui existe um conto infantil sobre um rei e uma espada.

Quincas – Um livro de conto infantil?

bunkernerd_rpg-a capanha_cap7--o livro do rei e a espadaAbu – Esse é de Al Bee Méé… – complementou o mago.

Os três se olharam por alguns instantes, desconfiando que Abu estava brincando, mas como não houve sinal de que o comentário era mentiroso (por mais absurdo que parecesse), prosseguiram com a discussão.

Hellen – Bem, esse livro conta que existia um rei que buscava poder. Poder e mais poder! – conta a menina, gesticulando e interpretando tudo o que falava.

Hellen – Então depois de estudar muito, muito mesmo, ele se tornou um poderoso mago. Ele era rico tanto em conhecimento quanto em terras. Conquistou grande parte de nosso continente no passado!

O mago e o anão nem piscavam, ouvindo a história.

Hellen – Mas percebeu que levou uma vida inteira para construir isso e que perderia tudo quando morresse… por isso esse mago poderoso foi em busca da fórmula para a vida eterna!

Abu – E ele conseguiu?

Quincas – Shhhhh! Não atrapalha a narrativa! Deixa ela contar com calma!

Hellen – Como os Shimatas são espíritos que emanam vida por onde passam, o rei foi tentar conversar com um deles para ver se conseguia mais informações. Assim que encontrou um deles, o mago pediu por vida eterna. Obviamente, o Shimata recusou… porém, o homem, já louco, sacou sua espada mágica e ameaçou roubar a vida do espírito.

Abu – Que homem idiota! Espadas não ferem esse tipo de criatura! – interrompeu novamente, cruzando os braços em sinal de reprovação.

Hellen – Exatamente! Por isso mesmo o Shimata riu na cara do rei. Por te-lo ameaçado, o grande mago recebeu um castigo… a vida eterna… – finaliza fazendo uma voz medonha.

Quincas – Mas que tipo de castigo é esse? Não é exatamente o que o homem queria? – indagou o anão injuriado.

Abu – Pelo jeito ele deve ter se arrependido depois, mas já era tarde demais. Afinal, viver para sempre deve ser algo terrível…

Bastou Abu falar isso para gerar uma grande discussão entre os três intelectuais. Horas e horas se passaram, até que chegou o momento de acordar Edgarjoe.

bunkernerd_rpg-a capanha_cap7--de volta a taverna

— Na taverna–

Quincas – Edgarjoe! Ei! Acorde! Precisamos ir falar com a maga que encontramos!

Quincas mal terminou e falar, e o guerreiro já se levantou com rapidez.

Edgarjoe – Maga? Isso é ótimo! Finalmente chegamos ao fim dessa jornada maluca! – respondeu o guerreio já dando um salto para fora da mesa em que estava dormindo.

Quincas olha por um tempo para Edgarjoe e fala com delicadeza.

Quincas – Bem… mas temos um… probleminha.

Edgarjoe – A Hellen? Já temos esse problema há tempos!

Quincas – Não esse! – Quincas para e pensa – Ela nem é um problema, seu anão rude! Mas enfim… A maga é uma elfa…

O guerreiro fica um tempo em silêncio, fechando sua cara pela primeira vez depois do sono.

Edgarjoe – Sério mesmo que você sugere que façamos isso? Eu não vou!

Quincas – Mas sua vida corre perigo!

Edgarjoe – Prefiro consultar a cabra do mago maluco!

Hellen – Tio Eddye! Vai ser melhor pra você!

Edgarjoe – TIO O QUÊ? MEU NOME É EDGARJOE!!!!! E eu não vou de jeito nenhum! Nem que me amarrem e me arrast… Huagh!! Hagdorutohiragaaaaa ãããhhhh!!!

O anão nem termina sua frase e se engasga, caindo no chão fazendo sons estranhos, como se pronunciasse frases em um idioma esquisito. (Sim exatamente o que você leu acima =P).

Hellen – Ele não está conseguindo respirar! Perdeu o controle de seus movimentos por causa da dor! Precisamos fazer algo!

Abu – Não é mais uma escolha. Precisamos levá-lo para Caliel e rápido!

Rapidamente, os dois colocam o guerreiro em uma maca improvisada e o carregaram o mais rápido possível até a casa de Caliel. A maga demorou para atender a porta, fazendo Edgarjoe chegar ao limite. Os três não sabiam mais o que fazer, até que uma bela moça, usando uma túnica élfica azul, abriu a porta.

bunkernerd_rpg-a campanha-cap6_a maga elfa

Quincas – Pelo amor de Deus, ajude meu amigo! É a maldição!

A maga não disse uma única palavra. Apenas fez um gesto para eles se afastarem. Ela se aproximou e analisou os olhos de Edgarjoe. Calmamente colocou sua mão sobre o peito do anão e pronunciou algumas palavras. Então, virou-se e entrou novamente em sua casa.

Edgarjoe continuava péssimo. Quincas e Hellen estavam desesperados, ajoelhados ao lado do guerreiro.

Quincas – É isso?  Vai virar as costas? Ele estava certo em não querer vir aqui, elfa!

Pela primeira vez, Hellen viu Quincas se irritar e agir igual a Edgarjoe. Ele balançava seu punho para trás e para frente com raiva.

Então, Caliel pegou um grande chifre de um animal desconhecido pelos aventureiros. Ele era pequeno, curvo e havia belos desenhos entalhados. A mulher tocou o berrante com delicadeza e mesmo assim, um barulho extremamente alto e grave fez tudo ao redor vibrar com violência.

Imediatamente, Edgarjoe abriu sua boca ao máximo e olhou para cima, parando de se contorcer. Da garganta do anão, começou a sair uma espiral de cinzas. Todos se afastaram e observaram assustados. Até quando a última partícula de cinzas começou a dançar aleatoriamente pelo ar.

bunkernerd_rpg-a capanha_cap7--o rei

Edgarjoe voltou a respirar profundamente, enquanto às cinzas começaram a se aglomerar e tomar o formato de um rei. Era possível ver que ainda havia chamas e faíscas que saiam dos olhos e do coração da imagem do rei.

Caliel – Seus dias de espionagem acabaram… – disse a maga enquanto um fino cajado de madeira surge gradativamente em suas mãos…

 

Meeeeeeeeeu caneco!! o.O
Será que a maldição de Edgarjoe foi removida? Quem é essa maga elfa e o que ela sabe sobre o rei feito de cinzas? Que diabos está acontecendo??? Vote logo! Quero saber o que acontece agora!

1. Depois da batalha contra as cinzas, caliel revela novas informações sobre a quest. E eles descobrem que o tempo é curto.
2. Edgarjoe fica muito diferente depois do “exorcismo”.
3. Hellen revela que já viu a imagem do “rei das cinzas”.
4. O mago Abu decide unir-se ao grupo.

 

Nosso RPG de mesa depende de vocês! Façam parte dessa aventura! Escolham como viveremos o capítulo 8!

Texto: oficial Lucas Merlin
Colaboração: GEN Keller

Comentários

comentários

About The Author

Convidado

Convidado especial @BunkerNerd.